Interrupção de chamada

A disputa entre Mercedes EQS e Porsche Taycan (nesta edição) não foi fácil. Nascido como “Classe S elétrico”, o EQS marcou a transição da combustão à eletricidade do sedã mais emblemático da marca, símbolo absoluto de refinamentoestatus.E o Mercedes-AMG EQS 53 ainda é o primeiro AMG a trocar pistões por volts. Claro que isso tem um preço: dependendo dos opcionais, o preço beira R$ 2 milhões, mas, obviamente, não falta nada. O visual é imponente – um cupê de quatro portas –, e o porte é exagerado, mas o que mais impressiona é a cabine com um conjunto de telas integradas magnífico e o espaço no banco traseiro, um “salão”, graças a 3,210 m de entre-eixos.

Asuspensão a ar é absolutamente confortável, é possível elevar a distância do solo para não raspar em rampas e valetas e o navegador GPS nativo tem realidade aumentada: mostra uma imagem da câmera na tela e “desenha” uma placa pra você saber onde virar.

Notrânsito, direção autônoma avançada com realidade aumentada: “sublinha” o carro à frente no head-up display e, caso saia da faixa, projeta uma linha vermelha no para-brisa.

Em ruas apertadas, as rodas traseiras viram até 5º no sentido contrário à curva para que o enorme Mercedes tenha raio de giro digno de carro compacto.

No lugar do motor a gasolina “artesanal”, este AMG tem dois elétricos, um por eixo (o de trás mais poderoso). Com o pacote AMG Dynamic Plus, vai a 761 cv e 1050 Nm.

Novolante, além de mini-touchpads (cada um comanda uma tela), há botões giratórios com tela LCD configuráveis e o “manettino”, que o transforma em superesportivo, com 0-100 km/h em 3,8 segundos e curvas coladas ao chão – uma agilidade inesperada é garantida pelo esterçamento das rodas traseiras no sentido das dianteiras. A “recuperação de energia” é ajustada por aletas no volante, servindo de freio motor (e “gerando” energia).

O EQS 53 tem todo o luxo do Classe S, ao mesmo tempo em que entrega a fúria máxima dos Mercedes-AMG. E trata muito bem todos a bordo, em vez de focar só no motorista e no prazer de dirigir, como o Taycan. Para quem não tem limite de orçamento, não há elétrico melhor para comprar.

(Divulgação)

› VERSÕES

53 R$ 1.399.900

› Potência 761 cv › Porta-malas 580 litros › Consumo A › Versão indicada Vendido em versão única

Interrupção de chamada Mapa do site