Interrupção de chamada

Por Flávio Silveira

Tudo começou com o Honda “e”. Escrito assim mesmo, com letra minúscula (já avaliamos aqui o pequeno e sofisticado city car que, ao menos por enquanto, continua restrito a Japão e Europa). Mas há outro elétrico “puro” da marca japonesa com proposta mais madura e coerente com o resto da gama – e, principalmente, com o desejo do mercado. Este SUV compacto é, na Europa – e seria no Brasil, se a Honda fosse ousada – um rival perfeito para modelos que já chegaram ao nosso mercado (alguns você vê na mais recente edição da Motor Show e aqui on-line, como Seres 3, Jeep Avenger, Hyundai Kona e Renault Megane). Há vários motivos – a começar pela aparência quase igual – para considerá-lo uma variante de um dos maiores sucessos atuais da marca, o HR-V.

Pequenos detalhes diferenciam este e:Ny1: o logotipo branco (na grade, onde fica o plug de carregamento, nas calotas e no volante) e o exagerado “lettering” Honda que atravessa a tampa traseira.

+ Quanto tempo vai demorar para que um carro elétrico seja o mais vendido do Brasil?
+ Locadora Hertz pretende vender 20 mil carros elétricos e reinvestir em modelos a combustão

Tal semelhança faz pensar que o mesmo ocorre na cabine. Mas, surpresa! Por dentro, se não muda tudo, até muda bastante:

• o túnel, redesenhado, abriga um seletor de marchas por botões, em vez da tradicional alavanca, mas o que se destaca é o cluster digital.

• Ele é o primeiro elemento que chama a atenção ao sentar no banco do motorista: a legibilidade é boa, e ele não exagera nas funções a ponto de elas ficarem difíceis de consultar. As informações essenciais são sempre bem visíveis.

• A parte que mais muda em relação ao HR-V é a parte superior do console central, onde agora há uma enorme tela vertical de 15,1”, na qual é possível controlar todas as funções de infotainment e navegação, ver informações sobre o carro e controlar o ar-condicionado – que não tem botões físicos como no HR-V, mas que manteve a mesma localização dos controles. Tudo agrupado com lógica e clareza, portanto fácil de encontrar e usar.

O Honda e:Ny1 é de fato, e em todos os aspectos, uma variante elétrica do HR-V. Por fora, apenas alguns pequenos detalhes mudam. Mas eles são importantes, pois permanecerão nos futuros carros a bateria da marca. O mais evidente deles é o logo “Honda” na tampa traseira, que se estende, de uma forma inédita, por toda a sua largura (como nos chineses). (Crédito:Divulgação)

Nada desajeitado

O novo elétrico é construído sobre a “e:N Plataforma F”, derivada da usada no HR-V. Mantém a disposição mecânica, com motor (elétrico, no caso) e tração dianteiros.

Mas alguns parâmetros-chave foram alterados:
• a rigidez estrutural foi aumentada com uso de aços de alta resistência (41% no HR-V, 47% no e:Ny1),
• o centro de gravidade foi abaixado,
• resultado do peso da bateria,
• e a aerodinâmica foi refinada, com coberturas adicionadas na parte inferior da carroceria para reduzir a turbulência do ar.

Os engenheiros da marca também trabalharam muito no trem de força: racionalizar as dimensões foi a prioridade do projeto – sem descuidar, como se descobre ao volante, de uma certa atenção ao prazer de utilização.

O motor do e:Ny1 se destaca na atual geração de carros elétricos pela suavidade de entrega, tanto na aceleração como – ou melhor, sobretudo – nas reduções. E o crédito é do sistema de recuperação de energia que a Honda desenvolveu para evitar o “EV Sickness” (enjoo de carro elétrico): aquela sensação nada agradável de aceleração excessiva e desaceleração intensa.

(Divulgação)
O e:Ny1comunica o que acontece durante o carregamento: acima da porta de conexão elétrica, que fica na dianteira do SUV compacto, há dois LEDs horizontais que, conforme seu ritmo e as cores usadas, indicam as fases: tomada conectável (verde), carregamento em curso (azul intermitente), carga completa (azul fixo) e erro de conexão do plugue (vermelho) (Crédito:Divulgação)

Em nome do equilíbrio

Não que ele decepcione no desempenho: com 204 cv e 310 Nm, o e:Ny1 mostra uma boa mistura de vivacidade e eficiência (o consumo pelo computador de bordo foi de 5,9 km/kWh). Sua bateria é grande, com 61,9 kWh líquidos, mas pode ser carregada de 10 a 80% em 45 minutos (DC). Nada que impressione, considerando o seu pico de 78 kW, mas a gestão de energia usa uma curva estratégica: a bateria enche na potência máxima apenas entre 5 e 60% , evitando “cansar” demais as células.

E o comportamento dinâmico? Ao desenvolver o e:Ny1, a marca teve o cuidado de definir uma personalidade bastante fácil e dócil. Graças à estrutura reforçada, ele tem uma atitude ágil e neutra, nem mais nem menos do que vemos no HR-V (como se não ligasse para o grande peso adicional da bateria na parte inferior da carroceria). O nível de conforto também agrada: foi feito um ótimo tratamento acústico para silenciar o trabalho das suspensões, que são especialmente eficientes em pisos mais rugosos. Já na estrada, ouve-se um distante ruído de fundo dos pneus e do vento.

O logotipo branco no centro do volante é uma novidade. A tela central tem disposição vertical e 15,1”. O painel tem uma “futurista” iluminação com LEDs horizontais, que continuam nas portas (Crédito:Divulgação)

Divulgação
O interior do Honda e:Ny1 é bem diferente do visto no HR-V, e inovador: tem painel de instrumentos digital, túnel central elevado e redesenhado e, acima de tudo, um novo sistema de infotainment. É sua melhor parte: grande no tamanho e lógico na organização de informações em faixas horizontais (Crédito:Divulgação)

Em suma, um projeto com equilíbrio, maturidade e abordagem pragmática à questão dos elétricos. Mas o mesmo pragmatismo o deixa distante dos brasileiros, pois vendê-lo por aqui pode ser um investimento arriscado.

Além disso, apesar de ser feito na China, mesmo na Europa ele é muito caro: com preços a partir de € 54.700, fica quase inviável. Serve mais para mostrar que não estão (tão) atrás na corrida dos elétricos.

Inteligente e eficiente

Nos carros elétricos, a gestão de energia é crucial. Ainda mais em modelos compactos, que podem acomodar baterias não muito grandes. Por isso, foram adotados estratagemas verdadeiramente originais no Honda e:Ny1 para otimizar os quilowatts-hora disponíveis.

Em particular, destaca-se o novo modo de condução Econ, já presente em todos os modelos da marca. No e:Ny1, entretanto, ele tem ainda mais sede por economia: ao ativá-lo, entre outras coisas, o sistema de ar-condicionado ajusta a temperatura principalmente nas zonas que envolvem o corpo do motorista: quando está frio, o volante e as zonas dos bancos são aquecidos. Com esta estratégia, segundo os engenheiros da marca, obtém-se uma economia de 2 a 3%, o que se traduz em 8 a 12 quilômetros extras de autonomia.

A capacidade global é bem razoável para o segmento: 68,8 kWh brutos, com alcance (no ciclo WLTP) de 412 km

 

Interrupção de chamada Mapa do site